segunda-feira, 24 de agosto de 2015

Livro: O Verdadeiro Evangelho - Paul Washer





Olá pessoal! 
Tô aqui pra deixar uma dica excelente de livro para vocês. 
Cá estou eu, pesquisando estudos, artigos, vídeos para a EBD (Escola Bíblica Dominical) e encontro um e-book grátis. Bem, eu já gosto de livro, imagina 0800 ?
Eu sou ~a tia~ na sala dos Juvenis da minha igreja (15-17 anos) e esse trimestre estamos estudando sobre Queda e Redenção, li rapidamente do que se tratava o livro e achei que tinha tudo a ver. Já vi vários vídeos do Pastor Paul Washer, mas nunca tinha lido um livro dele.  Na verdade esse livro é o resultado da edição de pregações do pastor a respeito de Romanos 3:23-28

Porque todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus;
Sendo justificados gratuitamente pela sua graça, pela redenção que há em Cristo Jesus.
Ao qual Deus propôs para propiciação pela fé no seu sangue, para demonstrar a sua justiça pela remissão dos pecados dantes cometidos, sob a paciência de Deus;
Para demonstração da sua justiça neste tempo presente, para que ele seja justo e justificador daquele que tem fé em Jesus.
Onde está logo a jactância? É excluída. Por qual lei? Das obras? Não; mas pela lei da fé.
Concluímos, pois, que o homem é justificado pela fé sem as obras da lei.
Romanos 3:23-28

Posso dizer que foi um dos melhores livros evangélicos que eu já li, muito esclarecedor, didático, empolgante, instigante. Foi de extrema utilidade para o assunto da EBD e para minha vida como cristã, tanto que resolvi compartilhar com vocês.

Quem quiser baixar o livro é só clicar AQUI  e ir no site da Editora Fiel




Ps. Depois de eu já ter lido o livro, eis que surge um povo forte revestido de poder ... não pera. Ocorreu um evento na minha igreja no fim de semana passado e tinha uma irmã vendendo uns livros, e qual livro tava lá? Sim, esse mesmo, e pela primeira vez comprei um livro que eu já tinha lido :p

sexta-feira, 31 de julho de 2015

Hellen em dia de folga

Oi gente! Quanto tempo ein? Estou trabalhando em um novo projeto (em breve mostrarei para vocês aqui) por isso dei uma sumida esses dias. Mas quem é vivo sempre aparece e enquanto aguardamos o arrebatamento aqui estamos nós.

Já usei tanto esse vestido que quando fui editar essas fotos nem acreditei que ainda não tinha postado ele.  Tem sido o meu bate-veste (eita... lembrei que ele está no cesto de roupa suja, lembrar de lavar quando chegar em casa). Ele tem aquela carinha bem "Hellen em dia de folga": Meio hippie, meio rústico, meio largadão... Tanto que quando ele chegou na loja da minha mãe alguém já disse "é a cara da Hellen". Usei esse vestido no dia dos namorados, na Reunião-Luluzinha com minhas amigas da igreja, em uma viagem que fiz e em todas as outras vezes que ele tava na minha cara e eu estava com pressa, mas agora ele está no cesto de roupa suja... snif, snif. Vestido tem disso né? Rápido, prático, eficiente. 
Um lembrete: pode não parecer na foto, mas o tecido dele fica meio transparente contra a luz, então uso sempre uma anágua para garantir.

Até logo pessoal, aguardem novidades!

Ps. Só adiantando uma novidade: Cortei o cabelo sozinha em casa. Ainda não tirei fotos :o Se não ficar bom, vou passar no salão para arrumar. Tava com tanta vontade de fazer isso que não me contive. hehehe






Créditos:

Vestido: Jampy
Bolsa: Artesanato (comprei de uma sacoleira há alguns anos)
Sapato: Arezzo


terça-feira, 16 de junho de 2015

Dona de casa?! Eu?!



A primeira vez que pensei em mim como dona de casa foi quando ainda estava na escola, no 3º ano do ensino médio. Um professor perguntou qual curso eu escolheria na faculdade e eu disse: Administração. Então escutei uma piadinha de algum colega “só se for administração do lar”.  Na hora fiquei com um pouco de raiva, mas na minha cabeça eu pensava: As pessoas mais ricas do mundo são, em última instância, administradores. Qualquer coisa que eu faça vou precisar saber administrar, eu pensava. Então cursei e conclui o curso. Mas costumo dizer que ter o diploma de qualquer curso é o mesmo que ter uma carteira de motorista. Não significa que você sabe dirigir bem só por que tem a CNH, então até hoje, aprendo a administrar na prática, assim como dirigir. Você sente dificuldade quando vai dirigir carros diferentes? Manuais ou automáticos? Novos ou velhos? Grandes ou pequenos? Assim eu me sinto toda vez que tenho que mudar o foco do meu trabalho e aplicar a Administração aprendida na faculdade na minha vida real.


Mas esse texto não é sobre diplomas ou carteiras de motorista, esse texto é sobre uma coisa muito mais prática, real e comum a todas as mulheres, é sobre ser dona de casa. Tenho grandes referencias na minha infância de boas donas de casa: Minha mãe, Vó Dita, Tia Graça e Tia Oza foram pessoas que eu observava quando era criança e eu sabia que tinha que aprender algo com elas, e aprendi. Eu via na minha mãe, que sempre trabalhou fora, uma mulher batalhadora, desbravadora, que saia cedo e chegava tarde do trabalho, mas que nunca nos deixou órfãs da sua presença, tanto que nem eu nem minhas irmãs temos nenhum trauma por causa disso. Minha vó era aquela vó que fazia comidas gostosas e deixava a gente comer leite em pó sem água, Tia Graça não dava moleza pra ninguém e quem estava por perto ela colocava pra ajudar(até hoje né tia?), e tia Oza era (e é) aquela Dona de Casa clássica, daquelas de comercial de margarina, cuidava da casa desde a faxina, roupa, até a comida.  E foram com essas referências que eu cresci e com elas eu fui moldando o meu jeito Hellen de ser dona de casa.

É importante dizer que isso tudo era só teoria na minha cabeça. Até eu casar nunca tive obrigação de realizar nenhuma tarefa doméstica em casa. Isso mesmo, se eu forrasse a minha cama tudo bem, se não, tinha alguém para fazer por mim. Casei e sempre tive uma pessoa para me ajudar com as tarefas domésticas, até dois anos atrás... Pense num negócio que mudou a vida de muita gente foi essa PEC das domésticas. Quero dizer que sou totalmente a favor da PEC, quem trabalha como doméstica merece ter os mesmo direitos de um trabalhador de qualquer área, mas com o tempo acredito que o número de famílias que tem esse pequeno luxo vai diminuir. Na época que essa lei entrou em vigor eu saia de casa às 7 da manhã e voltava às 7 da noite, ou seja, ficava 12 horas fora de casa e consequentemente a pessoa que ficasse na minha casa estaria 12 horas disponível caso meus filhos pedissem um lanche ou precisassem tomar banho, mesmo que por um bom período da tarde a pessoa pudesse descansar, assistir tv, ou até dormir (cansei de ligar para casa e ficar sabendo que todos estavam dormindo ou assistindo tv). Bem, mas lei é lei e eu e meu esposo achamos prudente não ter ninguém em casa para não corrermos riscos desnecessários de alguém vir cobrar horas extras. Decidimos ficar sem ninguém, nem faxineira, nem passadeira, nem nada. E assim estamos há dois anos.

Só então eu vim descobrir o que de fato significa o termo “dona de casa”. Já ouvi mais de uma vez o pastor Walter pregar e fazer a seguinte pergunta: “Dona de casa... você consegue imaginar agora onde está a colher de pau da sua casa?” Na pergunta podia ser colher de pau ou qualquer outro objeto, a questão era: a primeira vez que eu ouvi essa pergunta eu não sabia nem se eu tinha colher de pau em casa. Kkkkkkkk. Eu tinha confiado a administração do meu lar a outras pessoas que eu nem conhecia, apesar de eu ser a dona da casa. Eu vi que havia um abismo entre ser dona de uma casa e ter controle sobre a sua casa. Fiquei um pouco frustrada e isso me fez refletir. Dizem que há males que vem para o bem, mas eu gosto mesmo é do versículo “O que eu faço não o sabes tu agora, mas tu o saberás depois. ” João 13:7b

Veio a tal da PEC, decidimos ficar sem ninguém. Eu tive que ligar o botão da coragem, desligar o da preguiça e cuidar do que era meu. Não das paredes da casa, dos objetos, mas do que eles proporcionavam para nós. Aos poucos fui vendo como eu era boa em arrumar a casa, como era bom ter a minha casa do jeito que eu queria, mesmo que isso me custasse menos tempo livre para fazer outras atividades. Por incrível que pareça, hoje, 70% das coisas da minha casa eu posso encontrar de olhos fechados (quem sabe não chego a quase 100%?). É gente, Jesus me mudou da água pro vinho!

Vivemos em um mundo de extremos e parece ser até um crime uma mulher dizer que gosta de arrumar a sua casa. Feministas de plantão vão dizer que é não é justo a mulher trabalhar e cuidar da casa, que o homem tem que fazer as coisas e lá lá lá. Às vezes isso me parece como se elas quisessem na verdade que os homens fossem escravos delas. Confesso, já pensei assim. Mas cadê o bom senso? Cadê o meio-termo? Cadê o diálogo? Por melhor que o meu esposo seja em muitas tarefas domésticas, tem coisas que eu mesma gosto de fazer (lavar o banheiro, por exemplo). Não sei, mas parece que o que as mulheres feministas realmente querem, é que os homens sejam oprimidos para descontar os anos que as mulheres foram oprimidas na nossa sociedade. Acredito que essa não é a melhor solução.

Eu poderia parar essa conversa por aqui, mas não posso deixar de compartilhar o que a Bíblia fala sobre isso. A Bíblia fala muito sobre as mulheres, e ao contrário do que muitos pensam, fala muito bem. A Bíblia enumera qualidades desejáveis em uma mulher e cita vários exemplos de mulheres que tinham essas qualidades. Para mim, o texto de Provérbios 31: 10-31, onde fala sobre a mulher virtuosa, é o mais completo e inspirador para mim. Ele fala de uma mulher que é casada, tem filhos, tem casa, têm empregadas, trabalha fora, se veste bem, consegue administrar tudo e é louvada por isso.  Bem, eu estou um pouco longe de ser essa mulher virtuosa, mas a Bíblia não diz que seremos perfeitos, mas sim que devemos buscar acertar o alvo. Então se o meu alvo é ser uma mulher virtuosa, vou mirar e procurar acertar.

Quero terminar dizendo que hoje me considero sim uma administradora do lar, por várias vezes me vejo utilizando conceitos de administração nas minhas atividades domésticas. Lembram-se do que eu disse no início sobre dirigir carros diferentes? Pois é, cá estou eu administrando uma “empresa” diferente e me adaptando todos os dias a isso. Feministas podem chorar e se descabelar, mas sou muito feliz por ter uma pia cheia de pratos me esperando em casa, por ter que guardar a roupa lavada e ter que limpar a minha estante que já está empoeirada (sempre deixo a estante por último...).

E você? Qual a sua experiência como Dona de Casa? Já viveu esses dilemas?

Ps. A foto acima é meramente ilustrativa hehehe. Na verdade não uso avental para fazer a faxina, mas como tinha esse lá em casa achei que ficaria engraçado tirar foto com ele. Eu ia colocar uma imagem do google, mas decidi eu mesma pagar esse mico.kkkkkkkk

quarta-feira, 10 de junho de 2015

Barroco Light

Olá pessoal!!!!
Quem assistiu o meu vídeo no ultimo post levanta a mão ai o/ 
Ninguém comenta, nem fala nada, nem do meu sotaque, nem da minha cara, nem discorda, nem concorda. Sei não viu... Preciso de feedback pra saber se continuo passando vergonha gravando vídeos ou se paro por aqui. Comenta aí!

Passando para o post de hoje, cá estamos com esse vestidinho fofurinha. Eu sou muito chata com estampas, então quando vejo uma que conquista meu coração e que responde positivamente àquela perguntinha básica: Posso usar isso daqui a 5 anos? Então é batata, vai pro guarda-roupa. Achei lindo esse barroco discreto, sem muita firula, bicolor, light.

Esse vestidinho tá  aparecendo por aqui hoje, mas ele tem sido o meu socorro bem presente quando não sei o que vestir (e quando está limpo também né?). Tem coisa mais fácil que vestido que dá pra combinar com sapato-bolsa-cinto pretos e não ficar sem graça? Não, não tem

Maaaaass ele tinha um probleminha (para mim né?) Ele era curto? Não (quase). Ele tinha uma faixa de tule na manga. Estão vendo essa parte preta no ombro? Pois é, era tule bem transparente. Daqueles que apareciam a alça do soutien. 

Pense numa moda que eu não gostei foi a desse tal de tule, a pessoa pensa que está vestido, mas não está. A não ser que você esteja consciente de que está aparecendo tudo, não sei qual o sentido de se usar uma manga inteira de tule. Olha, para mim é o mesmo de estar sem mangas, o que também não acho problema nenhum (desde que esteja composta). 

Bem, resumindo, não gostei desse negócio de tule e pronto, mas tinha gostado do vestido. Vocês lembram de um vestido que eu tinha colocado uma barra de renda nele? Pronto, nessa mesma época, mandei esse vestido aqui para a costureira para ela colocar renda preta em cima do tule, ficu mais fechado e não fica aparecendo nem o ombro, nem a alça do soutien.

Probleminha resolvido!






Créditos:

Vestido: Maria Xique
Sapatilha: Arezzo
Bolsa: Dumond
Cinto: Peba

quarta-feira, 3 de junho de 2015

Deus só quer o coração?

Olá pessoal! 
Venho por meio deste post comunicar que agora teremos vídeos neste querido blog. Mas não se empolgue muito não porque o negócio ainda tá caseiro e amador. Esse vídeo mesmo ficou bem Frankenstein, todo repartido e com emendas rsrs. Eu não gosto muito de vídeos, nem de asssitir, imagina gravar, prefiro escrever, mas todo mundo pode mudar de opinião né mesmo? Quem sabe eu não me empolgo e fico craque em vídeos?

O tema escolhido para o primeiro vídeo oficial deste blog foi: "Deus só quer o coração?" Passaria horas falando sobre isso, mas quero ser sempre simples e concisa nos vídeos que postar por aqui, então tá aí 4 minutos e 11 segundos sobre esse assunto.




terça-feira, 2 de junho de 2015

Chove Chuva

Olá Pessoal!

Como passaram o fim de semana? Eu sei, já é terça, ontem eu não postei, mas nada impede de saber como foi né? Não sei o de vocês, mas os meus fins de semana são sempre mais atarefados que a semana. No sábado brinquei de cozinha com minha irmã (fizemos uns testes de cupcakes, depois eu mostro aqui) e acabou que a bagunça ficou pro domingo, que ficou pra segunda e ontem a dona de casa aqui não teve como escapar da arrumação. 

Mas hoje é dia de trabalho e vou postar aqui bem rapidinho porque tenho um monte de coisa pra fazer. Junho chegou (já?!) e com ele aquela chuvinha tradicional de Jampa. Hora de tirar os casaquinhos do armário pra tapiar e fazer o look ter uma carinha de inverno (frio mesmo aqui não faz não). Esse casaquinho aqui é tão fininho que usaria tranquilamente num dia de sol, mas visualmente é bem invernal. 
Já usei essa roupa para ir ao culto com salto, mas estou aqui no trabalho de sapatilha (por que né?)




Créditos:

Casaco: Holin Stone
Regata: Conjugal
Saia: Arallope
Sapato: Arezzo
Bolsa: Dumond

sexta-feira, 29 de maio de 2015

Dia de sol

Quatro postagens em três dias, esse é o meu novo recorde! Cadê o Guinness Book? rsrs

Obrigada pessoal pelo retorno, nesses três dias já vi que mais pessoas curtiram a página do Facebook, seguiram o instagram (@cristaechic) e tem me incentivado a continuar por aqui. Aguardem surpresas hehehe.

Vamos lá?

Eu gosto de combinar a roupa que estou usando com a cara do dia, então dia de sol em João Pessoa, escolhi essa roupa com cara de dia de sol. Leve, clara, fácil. Já usei essa combinação umas 300 vezes (o blog tava parado, mas eu estava na ativa hehe) então resolvi repetir hoje para poder tirar foto. 

Importante observar que a blusa é de tecido fino, é um pouco transparente e tem uma faixa de renda nas costas, então coloquei uma regata lisa por baixo, sempre coloco, me sinto mais confortável e segura assim.
Outra coisa, ontem eu falei sobre excesso. Se for para errar por excesso, que seja de seriedade. Hoje quero dizer outra coisa, se escolher uma peça mais justa, mais curta, compense em algo. Na verdade acho que a maioria das roupas que eu uso faço isso, como não gosto de saias muito amplas, prefiro compensar nas blusas. Então (Saia Justa + Blusa Ampla) = (Saia Ampla + Blusa Justa). Acho que essa equação dá certo, pelo menos pra mim.
Amo essas blusas folgadas que são mais compridas na parte de trás. Para não ficar tudo muito esculhambado, eu prendo a parte da frente da blusa folgada na regata que estou usando por baixo e deixo a parte de trás solta. Acho mais arrumadinho.





Créditos

Blusa: Holin Stone
Saia: Vida Linda
Bolsa: Datelli
Sapato: Arezzo


Coloquei essa foto do Chaves por que hoje já tiraram onda da minha bolsa, dizendo que ela parece um quebra-panela, um saco de boxe, mas o que eu acho ela parecida mesmo é com esse saquinho de retirante que a gente vê nos desenhos. heheh. Gosto dela mesmo assim